Anúncios com bonitões fazem os homens arriscar dinheiro

Quanto menos atraente um homem se acha, mais ele se deixa influenciar por anúncios que mostram caras sarados e bonitões, diz estudo.

Homens tendem a ser mais imprudentes com dinheiro quando são “fisgados” pelas propagandas com caras como o Beckham
Homens tendem a ser imprudentes com seu dinheiro quando são “fisgados” pelas propagandas com caras estilosos como David Beckham

Anúncios de revistas e comerciais de TV com modelos bonitões, sarados e sem camisa podem fazer você gastar mais e até a arriscar dinheiro, por se sentir inferior a esses “concorrentes” desleais na disputa pelo sexo feminino. Um estudo da Universidade de Sydney, na Austrália, revelou que os homens se dispõem a assumir mais riscos financeiros quando veem imagens de caras que consideram mais atraentes. O surpreendente da pesquisa australiana é a revelação de que o sexo masculino tende a ser mais imprudente com dinheiro do que o feminino quando é “fisgado” pelas propagandas com caras de boa aparência. Quanto mais feio um homem se considera, mais grana se dispõe a arriscar para ter sucesso com mulheres.

Usar gente bonita (de ambos os sexos) para vender produtos não é nenhuma novidade. Marcas de perfumes e roupas usam essa tática baseadas na teoria de que pessoas “normais” não motivam as pessoas a comprar. As mulheres “brigam” há décadas contra os padrões de beleza que a indústria da moda lhes impõe. A pesquisa de Eugene Chan, professor de marketing da Universidade de Tecnologia de Sydney (UTS), mostrou, porém, que as mulheres podem já estar “vacinadas” contra essas manobras, enquanto os homens são novas vítimas fáceis dos ardis da beleza.

Para descobrir isso, ele mostrou a 180 homens e mulheres heterossexuais anúncios da Abercrombie & Fitch (para o sexo masculino) e da Victoria’s Secret (para o feminino) e pediu que eles se comparassem como menos ou mais bonitos do que os modelos das fotos. Depois, respondiam um questionário escolhendo entre apostas de loteria com diferentes graus de risco: um ganho certo de 50 dólares ou 50% de chance de ganhar 100 dólares e 50% de perder tudo. O resultado: homens que se acharam menos bonitos do que os modelos da Abercrombie & Fitch preferiram a aposta de risco, enquanto os que se julgaram mais atraentes se conformaram com o ganho certo.

Com as mulheres, o resultado foi bem diferente. O grupo todo já se mostrou atraído ao risco desde o começo, mas não houve grande influência das imagens das beldades da Victoria’s Secret sobre as apostas.

Detalhe importante: os homens eram todos heterossexuais, refratários à possível atração sexual dos rapazes das fotos da Abercrombie & Fitch.

Essa constatação pode impactar não apenas as campanhas de roupas e perfumes, mas se estender a bancos, cartões de créditos, seguros e investimentos financeiros, explicou Eugene Chan. As instituições financeiras podem usar imagens mais glamurosas em publicidade, para incentivar os consumidores a investir e gastar mais. O professor associou essa disposição ao risco às raízes antropológicas do sexo masculino. “De certa forma, estamos todos ainda nas cavernas”, diz Chan. “Os homens ainda competem para atrair as mulheres e aumentar seu sucesso reprodutivo e enxergam concorrentes em outros fisicamente mais atraentes.”

Segundo o professor, os homens querem aumentar sua riqueza porque acreditam que as mulheres valorizam não apenas a beleza física, mas também a conta bancária do pretendente. Em compensação, a maioria não dá muita bola para o saldo de uma mulher, desde que ela tenha um rosto bonito e curvas nos lugares certos. “Tudo é subconsciente”, explica Chan. A pesquisa foi publicada na revista científica Evolution & Human Behaviour.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.