O câncer está crescendo entre os jovens. Como se proteger?

Fumar, beber, comer mal, não fazer exercício e não se proteger do sol são maus hábitos que vem contribuindo para o aumento dos casos de câncer em jovens com menos de 30 anos. Como evitar fazer parte dessas estatísticas? 

Por Wilson Weigl

Quando a gente é jovem raramente pensa em câncer. Encaramos a doença como algo distante, restrito à “velha guarda”. Aí mora o perigo: hábitos pouco saudáveis estão contribuindo para o aumento dos casos de câncer entre jovens com menos de 30 anos. Sem falar que a doença vem crescendo no Brasil: segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), tivemos 600 mil novos casos em 2016 – em 2015, foram 520 mil.

Comportamentos nocivos vêm levado ao aumento na taxa de tumores entre os Millenials, jovens nascidos nos anos 1990. Então, como 27 de novembro é o Dia Nacional de Combate ao Câncer, o Homem No Espelho resolveu colocar luz sobre o problema.

“O câncer é segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos no Brasil, perdendo apenas para acidentes e violência”, alerta Andrey Soares, médico do Centro Paulista de Oncologia (CPO) – Grupo Oncoclínicas, especializado no tratamento dessa doença. As causas? Alimentação ruim (pobre em vitaminas e fibras), consumo exagerado de carne vermelha, fast food e comida industrializada, sobrepeso, sedentarismo, abuso de álcool e cigarro. “Millennials têm o dobro de risco de desenvolver câncer no cólon (parte do intestino grosso) e quatro vezes mais chance de câncer no reto em comparação aos Baby Boomers, indivíduos com 55 anos ou mais”, afirma o especialista.

Não são apenas os tumores intestinais que estão relacionados ao “mau comportamento”. A obesidade contribui para o aparecimento de pelo menos outros nove tipos de câncer: de esôfago, vesícula, fígado, pâncreas, rins, útero, ovário, mama e próstata.

Como evitar fazer parte dessas estatísticas? Fácil. “Praticar exercícios físicos, adotar uma dieta equilibrada, consumir moderadamente bebidas alcoólicas, não fumar e se prevenir das doenças sexualmente transmissíveis são iniciativas fundamentais”, diz Andrey.

O doutor Andrey Soares lista os principais fatores que contribuem para o surgimento do câncer:

EXCESSO DE EXPOSIÇÃO AO SOL: Não basta se proteger do sol só na praia, e no verão. É preciso usar protetor todo dia, principalmente no rosto, que está sempre exposto. Quando a exposição é maior, como na praia ou piscina ou nos exercícios ao ar livre, como corrida ou bike, deve-se aplicar filtro solar no corpo todo, usar chapéu e evitar horários de sol mais forte. As pessoas costumam relacionar o câncer de pele apenas ao melanoma: o tipo mais agressivo, é muitas vezes fatal porque se aprofunda na pele, liberando na corrente sanguínea células cancerosas que vão se instalar em outros órgãos do corpo. Mas 95% dos casos de tumores cutâneos no Brasil são classificados como “não melanoma” (carcinoma basocelular e espinocelular), apesar de menos agressivos são diretamente relacionados à exposição à radiação ultravioleta (UV) sem proteção.

CIGARRO, CIGARRO E CIGARRO: Nem é precisa falar dos malefícios do tabagismo para a saúde do corpo todo. Fumar é jogar roleta russa com o câncer. E não tem desculpa: todo mundo sabe disso. Estimativas apontam que 75% dos casos de câncer de pulmão são decorrentes do uso do tabaco e os fumantes têm cerca de 20 vezes mais risco de desenvolver a doença. O cigarro também é responsável pelo aparecimento do tumor na cabeça e pescoço. O jeito é um só: largar o cigarro. Já.

ABUSO DE ÁLCOOL: O consumo exagerado de bebidas alcoólicas traz consequências graves para a saúde. O álcool é um depressor do sistema nervoso central e impacta de forma nociva órgãos como o fígado, o coração e o estômago. Segundo pesquisa publicada no periódico Alcohol and Alcoholism, uma dose de bebida alcoólica por dia é suficiente para aumentar o risco das mulheres desenvolverem câncer de mama em 5%. Para mulheres que bebem mais – três ou mais doses por dia – o risco de contrair a doença aumenta em 50%. Precisa parar de beber, cortar cerveja e vinho e virar abstêmio? Geralmente não. Basta maneirar nas doses.

SEDENTARISMO E DIETA RUIM: Como os jovens passam longas horas em frente ao computador ou ligados no celular, muitos deixam de lado as atividades físicas. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de um terço dos jovens brasileiros está acima do peso, e, portanto, em maior risco de desenvolver doenças como colesterol alto, diabetes e hipertensão arterial. Mas com pequenos ajustes na rotina, como fazer pequenas caminhadas diárias e subir e descer escadas ao invés de utilizar o elevador, é possível dar um salto na qualidade de vida e prevenir inúmeras doenças, não apenas o câncer. A recomendação dos especialistas é praticar pelo menos 150 minutos de exercícios moderados por semana – ou, em média, pouco mais de 20 minutos por dia. Não é difícil, é?

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A geração de jovens com menos de 30 anos nasceu após o “boom” do HIV, na década de 1980. E apesar de bem informada e consciente dos riscos das doenças sexualmente transmissíveis, a galera apresenta índices elevados de contágio pelo chamado papilomavírus humano (HPV), o tipo de infecção sexual mais comum em todo o mundo. Esse vírus atinge de forma massiva a população feminina – 75% das brasileiras sexualmente ativas entrarão em contato com o HPV ao longo da vida, e o ápice da transmissão se dá na faixa dos 25 anos. Após o contágio, ao menos 5% dessas brasileiras irá desenvolver câncer de colo do útero em um prazo de dois a dez anos. Além do HPV, outras infecções virais também podem estar relacionadas ao aparecimento do câncer: as hepatites B e C, por exemplo, podem predispor o câncer de fígado. Portanto, a regra é clara: usar camisinha, sempre. E maneirar no número de parceiros(as) sexuais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.