Sol e calor exigem mais cuidados com a acne

O sol é um grande amigo da acne. A pele bronzeada parece melhor, mas o aumento da oleosidade favorece o surgimento de mais cravos e espinhas. 

Homem No Espelho - Como cuidar da acne

Por Wilson Weigl   

Tomar sol é quase sempre sinônimo de dor de cabeça para quem sofre de acne. Apesar da aparente melhora das espinhas, com a pele bronzeada e mais seca, a exposição ao sol pode piorar o quadro. “Ocorre um efeito rebote devido ao aumento da oleosidade e da espessura da pele,  que contribui para a obstrução dos poros e o surgimento de novos cravos e espinhas”, diz Rodrigo Motta, dermatologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão (SP).

Expor a cara ao sol sem filtro solar para “secar” as lesões é a maior mancada. Antes de tudo, é preciso investigar as causas da doença — sim, a acne é uma doença de pele. Grande inimiga da autoestima, ela atinge 80% dos adolescentes entre 13 e 18 anos. Desses, 50% a apresentam em grau leve, 40% moderado e 10% em sua forma mais grave. Ela pode ser causada por herança genética, alterações nos hormônios sexuais, infecção bacteriana e até estresse. Apesar de não haver consenso a respeito, acredita-se que para algumas pessoas, alimentos gordurosos podem piorar o quadro.

O mecanismo da acne é simples: o desequilíbrio das glândulas sebáceas do rosto e do corpo estimula a produção maior de sebo, que se acumula nos poros formando tampões que escurecem em contato com o ar: os cravos. Com os poros obstruídos, a gordura acumulada tende a infeccionar pela ação de bactérias, formando espinhas.

“Durante o verão, os cuidados são usar filtros solares, principalmente os livres de óleo ou com toque seco, manter uma alimentação saudável com pouca ingestão de gorduras, ingerir bastante líquido e lavar o rosto com sabonete indicado para seu tipo de pele, sempre respeitando o limite de três lavagens ao dia”, explica o médico.

Por que no máximo três vezes? Sucessivas lavagens também causam o efeito rebote: quando se retira a oleosidade da pele em excesso, as glândulas sebáceas entendem que devem produzir mais para compensar o ressecamento, deixando a pele ainda mais oleosa.

O cuidado antiacne também deve se estender à piscina, diz Motta, pois a água clorada pode piorar as lesões. “Tome banho logo após sair da piscina para retirar o cloro do corpo e aplique hidratante livre de óleo para repor a umidade da pele”, recomenda o dermatologista.

Outro cuidado durante os dias quentes é não abusar de comidas gordurosas e alimentos prontos. Pode comer chocolate! “A relação direta entre chocolate e acne é um mito. O fato é que alimentos gordurosos aumentam a oleosidade da pele que, por sua vez, estimula a proliferação de bactérias que causam a inflamação”, diz Cecília Gravatá, nutricionista da clínica de estética e treino funcional L&L Espaço Vida ao Corpo (SP).

Se seu problema for crônico e você já saiu da adolescência há muito tempo, o ideal é procurar um dermatologista. Em casos menos graves, ele pode indicar limpeza de pele e prescrever medicamentos tópicos em forma de cremes (em gel). Para os casos mais graves, porém, o tratamento quase sempre inclui antibióticos e anti-inflamatórios via oral.

Caso a situação não exija sua ida ao médico, os seguintes cuidados podem ajudar a diminuir o problema.

* Não espremer as espinhas— fazer justiça com as próprias mãos pode resultar na formação de cicatrizes definitivas. Nas lesões maiores, você pode aplicar, à noite, um gel secativo. Costuma funcionar.

* Usar sabonete específico antiacne para lavar o rosto. Por conter ativos como ácido salicílico, enxofre e zincidone, ele remove impurezas, controla a oleosidade, desobstrui os poros e melhora a aparência geral da pele.

* Aplicar diariamente um gel ou sérum antiacne que controle a oleosidade da pele. Além da ação anti-inflamatória, bactericida e cicatrizante, ele hidrata a pele e diminui o brilho do rosto.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.