Você usa protetor solar ao dirigir? Pois deveria!

Rosto, mãos e braços sem proteção do filtro solar ficam vulneráveis à radiação que atravessa os vidros do carro e favorece o aparecimento de rugas, flacidez, manchas e até mesmo câncer de pele.

Por Wilson Weigl

Pegar no volante sem passar protetor solar não rende multa de trânsito. Mas é uma infração gravíssima que se comete contra a aparência e a saúde da pele. Passar longos períodos tomando sol direto na cara sem se proteger do sol pode ser pior do que ir à praia, dependendo do tempo que você passa na direção. A radiação solar perigosa atravessa os vidros do carro e favorece o aparecimento de rugas, flacidez, manchas e até mesmo câncer de pele.

Rosto, mãos e braços sem proteção do filtro solar ficam vulneráveis ao bombardeio de raios UVA, UVB e infravermelhos. Vários estudos já associaram o aparecimento de danos solares e lesões cancerosas no lado esquerdo do corpo (mais exposto ao sol) por causa do hábito de dirigir sem a devida proteção contra o sol.

Por isso, não basta abastecer de gasolina e calibrar pneus do carro antes de pegar estrada. O uso de filtro solar é a principal forma de evitar que a pele fique envelhecida, manchada e enrugada. A recomendação não vale apenas para quem costuma pegar estrada. Também para quem dirige na cidade, principalmente se passa bastante tempo ao volante, não pode abrir mão do protetor solar, mesmo em dias nublados.

“Os vidros do automóvel barram grande parte da radiação UVB, responsável pelas queimaduras, mas não a radiação UVA, que penetra profundamente até a derme, camada mais profunda da pele”, explica o  farmacêutico Lucas Portilho, consultor e pesquisador em cosmetologia e diretor científico da Consulfarma. A radiação UVA atravessa nuvens e vidros, causa envelhecimento precoce, perda de elasticidade, manchas, rugas e câncer de pele e está presente na natureza em níveis muito maiores do que a radiação UVB, faça chuva ou faça sol.

Ao atingir essa camada profunda da pele, a radiação danifica as fibras de colágeno e elastina que dão firmeza e sustentação da pele, fazendo o rosto “despencar” e ficar com aparência de uva-passa. “Os raios solares geram uma quantidade altíssima de radicais livres, moléculas que oxidam as células e são as principais responsáveis pelo envelhecimento precoce do tecido cutâneo”, diz Lucas.

As mãos, essas eternas esquecidas

As mãos têm pele bem fina e são frequentemente negligenciadas mesmo pelos homens que passam protetor solar no rosto todo dia. Ao volante, elas recebem a radiação solar praticamente o tempo todo. Com o passar do tempo, as costas das mãos fatalmente irão apresentar manchas, que são resultado do efeito cumulativo do sol sobre a pele.

A constante exposição ao sol é a principal causa do aspecto envelhecido das mãos de muitos homens. Ao dirigir, para evitar a sensação melada no volante, opte por produtos de toque seco, que têm fácil absorção e costuma ser à prova d’água, resistindo ao suor. 

A proteção das películas dos vidros

Uma alternativa para aumentar a proteção da pele dentro do carro é instalar películas automotivas nos vidros, que também ajudam a barrar a radiação solar, garantindo proteção semelhante aos fotoprotetores físicos (aqueles que têm partículas esbranquiçadas). “Além de protegerem contra a radiação UV, as películas bloqueiam a radiação infravermelha, que não apenas causa envelhecimento precoce da pele como ainda piora doenças pré-existentes, como melasma e rosácea”, ensina Lucas.

O especialista ressalta que nem toda película automotiva garante proteção solar: “Muita gente crê que quanto mais escura for a película, maior será o nível de proteção, o que não é verdade. Existem películas totalmente translúcidas que protegem da radiação solar. A única maneira de ter certeza sobre a capacidade de fotoproteção das películas é procurar uma loja de confiança que possa atestar a qualidade e a garantia dos produtos.”

A aplicação da película com fotoproteção não dispensa o uso do filtro solar, pois o máximo de proteção solar oferecida por essas películas é de 99%, segundo Lucas Portilho. Além disso, os filmes laminados não protegem contra a luz visível emitida pelo sol, lâmpadas e dispositivos eletrônicos, que também agridem a pele. “Logo, na hora de escolher um fotoprotetor é importante que você procure por produtos que, além de oferecerem proteção contra a radiação UVA e UVB, também protejam contra a luz visível e sejam adequados para o tipo e as necessidades de sua pele”, finaliza Lucas Portilho.

Como se proteger do sol no carro

Antes de entrar no carro, deve-se aplicar no rosto e nas mãos filtro solar facial com FPS 30, no mínimo (o ideal é FPS 50). É preciso se certificar que o produto defende a pele também dos raios UVA (a sigla FPS refere-se apenas aos raios UVB). Os protetores solares mais modernos informam explicitamente no rótulo seu nível de proteção contra a radiação UVA.

No rosto, deve-se passar uma camada generosa, sem economia, até a raiz do cabelo, sem esquecer de orelhas, pescoço e nuca. Nas mãos, deve-se aplicar o filtro principalmente no dorso (não nas palmas). Nos braços é preciso passar em toda a área que for ficar exposta ao sol.

Não adianta passar pouco filtro e achar que está protegido. Para obter o nível de proteção (FPS) do rótulo do protetor é necessário aplicar 2 miligramas por centímetro quadrado de pele. Traduzindo: se pensarmos em rosto, equivale a uma colher de café cheia.

https://www.instagram.com/homemnoespelho/

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.