Radicais livres: as moléculas que detonam sua pele

Por influência de maus hábitos, os radicais livres deflagram inúmeros problemas de saúde. Na pele, provocam envelhecimento precoce, rugas, manchas e câncer. Combata esse ataque.

Homem No Espelho - ação dos radicais livres na pele

Por Wilson Weigl

Radicais livres: parece nome de organização terrorista. É quase isso. Os radicais livres espalham mesmo o terror no corpo, deflagrando inúmeros problemas de saúde. Na pele, provocam envelhecimento precoce, surgimento de rugas, manchas e até câncer. Por isso, é preciso combater esse ataque com todas as armas possíveis.

Quem são e de onde vêm esses radicais livres? São moléculas que se formam naturalmente no organismo, como resultado dos seus processos metabólicos do organismo, deflagrados pela entrada de oxigênio nas células. O perigo começa quando a produção dessas moléculas nocivas se acelera por influência de exposição à radiação solar, estresse, poluição, maus hábitos alimentares, cigarro e excesso de consumo de bebidas alcoólicas.

Essas moléculas são chamadas de “livres” porque são instáveis e apresentam um elétron negativo, que tende a se associar rapidamente a outras moléculas positivas, provocando uma reação que oxida as células, danificando seu DNA. Esse processo é chamado de estresse oxidativo.

Um dos resultados desse excesso de oxidação é a inflamação. O envelhecimento da pele e do organismo todo está ligado a esse processo inflamatório que ocorre diariamente de forma silenciosa no corpo.

Homem No Espelho - Danos dos radicais livres na pele

O corpo, em sua sabedoria, consegue reparar sozinho 99% dos danos causados pela oxidação. Mas quanto maior a exposição aos fatores agravantes da produção dos radicais livres, maior o risco de ocorrerem reações químicas que provocam o estresse oxidativo.

LEIA TAMBÉM

Para combater essas moléculas danosas, é preciso usar cosméticos que ajudam a neutralizar sua ação. Existem vários cremes diurnos e noturnos com ativos chamados de “antioxidantes”, que diminuem o estresse oxidativo da pele. Geralmente essa ação já está descrita no rótulo, mas o ideal é consultar um dermatologista para que ele prescreva a fórmula ideal para você, contendo as substâncias adequadas à sua idade e tipo de pele.

Entre os antioxidantes mais usados estão a vitamina C, coenzima Q10, ácido ferúlico, niacinamida (vitamina B3), betacaroteno, resveratrol (extraído da uva), chá verde e romã, só para citar alguns. Nas fórmulas dos cosméticos, eles ajudam a neutralizar as reações causadas pelos raios solares UVA, UVB, infravermelhos e luz visível até as camadas mais profundas da pele.

O cuidado mais importante para proteger a pele dos radicais livres é usar filtro solar no rosto diariamente. Aplique protetor solar com FPS 30, no mínimo, todos os dias antes de sair de casa. Se for à praia, correr ou praticar esporte ao ar livre, opte pelo filtro com FPS mais alto: 50, por exemplo. O protetor solar específico para esporte resiste melhor ao suor e à água e não escorre no rosto.

A alimentação saudável ajuda o corpo a se defender do ataque dos radicais. Frutas, verduras e legumes contêm fitonutrientes, como vitaminas, minerais e outras substâncias que protegem as células da ação dos radicais livres. No caso da pele, são especialmente recomendados os vegetais de cor alaranjada (cenoura, laranja e abóbora, por exemplo), que contêm betacaroteno; as frutas vermelhas (morango, amora, framboesa, cranberry), a uva, o açaí e as sementes oleaginosas, como nozes, avelãs, amêndoas e castanhas-do-pará.

Quem quer mesmo proteger a pele do envelhecimento também precisa maneirar nas bebidas alcoólicas e abandonar o cigarro. Fumar, como se sabe, acelera a produção de radicais livres que causam doenças em todos os órgãos do corpo. E as más notícias não param. A Harvard Medical School, centro de pesquisas da universidade americana, alerta que fumar na praia ou no sol é duplamente prejudicial. O fumo é fototóxico, ou seja, torna-se ainda mais nocivo na presença de luz ultravioleta. Quando juntas, fumaça e radiação solar causam mais danos às células da pele do que sozinhas.